O cordel de Nino


Era uma vez um menino travesso

Que dava nó em pingo d’agua

E virava o mundo do avesso

Quando o menino resolvia relampejar

Era difícil sua família o acalmar

Só existia um para raio que o continha sem pestanejar

Mas infelizmente já não estava mais aqui para o menino se aquietar

O para raio tinha resolvido que queria morar no ar

Lá onde os relâmpagos se faziam brotar

E assim se foi virar estrela para o menino mirar

Acredito que ele relampejava tanto nesses últimos tempos porque queria reivindicar

Que seu para raio voltasse pro seu lar

Sua mãe sempre dizia que não adiantava reclamar

Porque o menino só fazia piorar

Na verdade ele só precisava de um colo para o acalentar

E entender que o seu raio era sua forma de mostrar a dor

Pela perda do seu maior amor

Foi quando seus pais compreenderam que o único jeito do menino parar de trovejar

Era falar pra ele que a sua voinha nunca iria deixar seu lar

E que para sempre ficaria lá

E foi assim que o menino parou de relampejar

E seus raios não mais voltaram a faiscar

Ele entendeu que uma historia de amor

Nunca perde a sua cor

E que no seu coração haveria de morar


Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Nenhum tag.

Rua Alagoinhas, 189 - Parque Cruz Aguiar. Rio Vermelho. Salvador (BA). CEP 41.940-620

71 9105-0606 e 71 3033-5284  |  institutohumanitas@hotmail.com