Please reload

À Mesa com Mony

 
Éramos quatro ali sentados naquela mesa e nos bastávamos. O cenário tinha um frescor deslumbrante de uma pequena aldeia em Montpellier, no sul da França, que nos ofertava a deliciosa prática de desfrutar de um bom vinho. Optei pelo Rosé e eles três por um corpulento vinho tinto. O sabor do momento, o sabor do saber de repente foi interrompido quando um garçom atrapalhado irrita Mony que, intolerante com a dificuldade daquele pobre garçom em compreender o seu pedido, levanta e quebra o momento sublime com uma certa amargura curtida pelo tempo. Alí víamos a dupla experiência do tempo: o tempo cronológico, linear, onde os eventos podem ocorrer de forma despercebida, e o tempo do mergulho, da pausa e da reflexão que podem conter o entusiasmo de quem se apaixona pela vida. A arte do envelhecer me oferecia uma cena da qual desfrutava como espectadora não só de um vinho curtido no tempo, mas de três mestres que aplicavam à mesa a sabedoria ou a intolerância da idade. Pensarmos na dimensão futura como algo desbravador e entusiasta significa reconhecer um presente pautado no gozo e na satisfação de quem gosta de ser quem é. Quando o presente nos garante autonomia e segurança de desfrutá-lo, o futuro nada mais é do que a emoção projetada de um prazer atual. O que nos leva a escolher envelhecer com os azedumes e as amarguras do tempo colecionando apenas as histórias infrutíferas que nos reduzem ou apreciar os recortes de vida que nos eleva a uma dimensão sublime do que podemos chegar a ser? Escolhas. Escolhas que nunca deixaram de estar em nossas mãos, que sempre ali estiveram para que pudéssemos pinçá-las com o que de melhor podemos oferecer ou com as nossas partes sombrias que muitas vezes nos reduzem e nos desmerecem. Que o tempo me conceda a sabedoria dos mestres, que o tempo me faça reconhecer o melhor de mim, o melhor do outro, as melhores cenas para que o meu repertório de vida valha a pena.

 


Conto terapêutico escrito por Nina Guimarães
Diretora do Instituto Humanitas

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

August 7, 2020

August 7, 2020

May 27, 2020

December 29, 2018

September 17, 2018

Please reload

Arquivo
Posts Recentes
Procurar por tags

Rua Alagoinhas, 189 - Parque Cruz Aguiar. Rio Vermelho. Salvador (BA). CEP 41.940-620

71 9105-0606 e 71 3033-5284  |  institutohumanitas@hotmail.com