Please reload

Conversações em tempos de pandemia (Parte I)

 

 PARTE I - 22 de abril de 2020

 

Vanessa Miranda

 

Como será que nós estamos nesse período? Eventualmente nos perguntamos e quase sempre respondemos que estamos bem, dando um jeito, encontrando formas de lidar com esse momento, buscando leituras, filmes, videochamadas, enfim, criando estratégias. Talvez como se fosse possível criar mundos e realidades semi-alternativas em que os impactos dessa quarentena não sejam sentidos e vividos com muita intensidade. Acredito que uma parte das pessoas está até conseguindo fazê-lo, principalmente aquelas que seguem trabalhando. Eu me questiono sobre as pausas da cotidianidade, sobre a liberdade de ir e vir, sobre a importância do se apresentar socialmente, sabe? Isso de se arrumar pra sair, ter que passar em dois, três lugares e resolver pequenas coisas para trabalhar ou para levar pra uma reunião social ou para organizar o trabalho. Essas coisas pequenas que tem feito falta. Uma reflexão sobre as faltas, sobre um certo saudosismo, sobre um cenário que não estamos podendo viver. O que será isso, afinal?

 

Mávila Andrade

 

Algo relacionado a rotina? A rotina nos organiza, faz com que as nossas ações tenham sentido e utilidade, talvez esse seja o motivo das pessoas que mantêm o trabalho em home office estarem conseguindo encontrar recursos para seguir. A manutenção das atividades consideradas “úteis” em uma sociedade capitalista nos oferta o sentimento de pertencimento e participação. Ao pararmos e nos encontrarmos em uma condição tão peculiar para quase todos nós, faz com que seja ainda mais pesaroso a não rotina, a não saída para o trabalho, a ida rápida ao mercado ou o passeio no shopping. Agora estamos sendo convidados a viver o(s) silêncio(s), o silêncio das grandes avenidas sem os sons dos carros, o silêncio da não interação com o outro, o silêncio das certezas e, o que talvez será a nossa bóia de salvação diante de tantas mudanças, o nosso silêncio. Entendo que o nosso silêncio permitirá a reflexão e a revisão, nele emergiremos em diálogos internos com nós mesmos, tentando construir as nossas versões preferidas, tentando compreender o impacto dessa pandemia nas nossas vidas, na vida de quem está próximo a nós, da nossa comunidade e do mundo.

 

Viviane Resende

 

Quando escuto o meu silêncio, me conecto com muitos diálogos. Essa semana, em um atendimento, um paciente contou que, após desligar a videochamada com os amigos, sentiu uma sensação de vazio. Mas vazio de que? Depois de pensar um pouco, ele disse: “de pessoas”. Vazio de poder tocá-las, abraçá-las, olhar nos olhos sem uma tela intermediando. “Não é exatamente saudade, sabe?”, ele disse, mas faltam os aspectos da interação física. É isso, faltam pessoas. Pessoas conhecidas ou não. Faltam as trocas de bom dia nos elevadores, faltam as conversas nos corredores e recepções. Faltam aqueles diálogos tão “supérfluos” (seriam eles tão supérfluos assim?) sobre o clima, de como Salvador é assim tão imprevisível. Ah, mas o imprevisível… esse sim ainda se faz presente. 

 

Fernanda Alves

 

Pois então, venho pensando como pra mim, se representa o imprevisível. Entendo que o convite do tempo que criamos para manter o pseudo-controle do nosso cotidiano é descartável quando opero no instante. No aqui e agora a discussão sobre previsibilidade se esvai. E vivendo no agora o chamado é para reverenciar o que nos conecta uns com os outros, ao que é imprescindível: a presença. Estamos descobrindo as virtudes da virtualidade ao mesmo instante que mantemos a sensibilidade do contato físico, do toque ou do simples gesto de cumprimentar com um “olá”, o que gera, no mínimo, sentimentos de ambivalências que provocam sensações difíceis de nomear. O que é mesmo que se passa? Vai passar? E o que virá? Não sabemos, são muitos questionamentos, mas com cada nascer do sol, surgem brilhos que mantém aceso nossos feixes de esperança para um novo amanhã. 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

August 7, 2020

August 7, 2020

May 27, 2020

December 29, 2018

September 17, 2018

Please reload

Arquivo
Posts Recentes
Procurar por tags

Rua Alagoinhas, 189 - Parque Cruz Aguiar. Rio Vermelho. Salvador (BA). CEP 41.940-620

71 9105-0606 e 71 3033-5284  |  institutohumanitas@hotmail.com